terça-feira, 29 de agosto de 2017

"MEMÓRIAS MINHAS: "O SENHOR VINHO"


A sala do ICEP sob o tecto da Chancelaria da Embaixada de Portugal

Um dos meus primeiros objectivos era colocar os vinhos portugueses no mercado tailandês. Os tailandeses principiaram a gostar de vinho a partir dos anos de 1990 e quando se dá o repentino desenvolvimento imobiliário da cidade de Banguecoque que antes adormecido. 
.
Beber vinho voltou moda e toma o lugar ao wiskie. Na década de 90 surge a abertura de lojas de vinho na capital tailandesa onde além de se poder comprar uma garrafa, ali se poderia beber, com amigos, uma outra acompanhada de petisco que normalmente era o queijo.
.

Em 1997 e quando re-aberto o Gabinete Comercial da Embaixada, em final do mês de março, já havia uma loja, aberta, que vendia exclusivamente vinhos portugueses, da adega Camilo Alves, situada numa das artérias mais movimentadas de Banguecoque. Porém em Julho de 1997 é anunciada a crise económica a desvalorização da moeda, chegou 60 bates um US dólar e dá-se o inicio da recessão e o aperto, dos tailandeses, dos cordões à bolsa.
.

Em 1997 os vinhos portugueses ocupavam o 3º lugar, de vendas, na Tailândia. Em primeiro o vinho francês, segue-lhe o Chile e a seguir Portugal. Vinhos portugueses no mercado: SOGRAPE, Camilo Alves, Borges & Irmão e Caves Dom Teodósio. Apostei em primeiro lugar no vinho e entusiasmei os empresários do ramo a vir a Banguecoque. 
.
O gabinete do ICEP era colocado à disposição para ali os empresários fazer a venda de seus vinhos ou de outros artigos. Seguem imagens a seguir legendadas.
 Voltou moda em Banguecoque as senhoras beber vinho!
Amostra de vinho no gabinete comercial do ICEP
O empresário João Marques de Almeida atende um cliente no gabinete do ICEP
Mesmo empresário com mais um cliente
Workshop sobre o vinho português no Amari Hotel
Assistência ao worshop