domingo, 24 de janeiro de 2016

"PORTUGUÊS ILUSTRE NA CORTE DO REINO DO SIÃO"

Escrito: August 29, 2007

Celestino Maria Xavier um luso-descendente ilustre no Reino do Sião no final do século XIX e princípio de XX. 

Desempenhou cargos importantes na Corte do Rei Chulalongkorn desde, diplomata, Sub-Secretário de Estado a Vice-Ministro das Finanças.   
.
Foi uma personalidade proeminente nos meios civis e oficiais da cidade de Banguecoque. Vamos assim descrever a história de Celestino Xavier, que obteve da Corte o título honorífico Phya Paipat Kosa.
.
Há uns 25 anos entrei, por curiosidade, num cemitério na rua da Silom a cerca de 500 metros da "New Road"; a primeira via construída na capital do Sião e adjacente ao rio Chao Praya. A minha curiosidade seria se por lá haveria gente, sepultada, portuguesa e luso-descendente. 
.
Na rua principal daquele campo de repouso e a uns 30 metros da entrada do portão principal erguia-se um mausoléu de enormes proporções. Um pouco abaixo da cúpula uma inscrição em letras largas: XAVIER. 



Celestino Xavier, Phya Phipat Kosa (número 5) entre as personalidades, proeminentes, da Corte do Rei Chulalongkorn 
.
Pensei desde logo que aquele nome deveria ser português e dentro estivesse gente, lusa, sepultada, emigrada de Goa, Macau ou mesmo de Portugal. Não ficou de fora a hipótese a certeza de pertencer uma "clã" de família. importante, de negócios de Banguecoque.



O Mausoléu da "clã" Xavier foi edificado no cemitério da Rua da Silom, possivelmente, na década de sessenta do século XIX e teria sido depois do falecimento de Lucia Phuang Xavier, em 1863, com a idade de 17 anos. A foto do lado direito é como hoje se encontra no cemitério, católico, da Santa Sé, na província de Nakhon Pathon e a uns 40 quilómetros do centro de Banguecoque. O mausoléu e as ossadas foram transladas em 2004. 



NOMES DESIGNADOS NAS PLACAS DENTRO DO MAUSOLÉU 
1. Joachim Maria Xavier (o patriarca) Nasceu em 1793 - Faleceu a 22.7.1881, com a idade de 88 anos e correcto o registo do assento de falecimento do Consulado de Portugal)
2. Catharina Ti Xavier - Nasceu em 1811 - Faleceu em 10.10.1876
3. Luiz Maria Xavier - Nasceu em 1840 - Faleceu em 15.2.19024.
4.Lucia Phuang Xavier -Nasceu em 1846 - Faleceu em 1863
5. Adeodato F. de Jesus - Nasceu em 1841 - Faleceu em 1885
6. Leopoldina Maria de Jesus - Nasceu em 1850 - Faleceu em 1890
7. Joachim Maria Xavier JR - Nasceu em 1857 - Faleceu em 27.2.1898
8. Luiz Maria de Jesus - Nasceu em 1879 - Faleceu em 1883
9. Julia Antonio de Jesus - Nasceu em 1883 - Faleceu em 21.10.1896
10. Joaquim Maria Xavier - Nasceu em 1901 - Faleceu em 1902
11. Henriqueta M. Xavier - Nasceu em 6.9.1908 e Faleceu em 28.04.19o9
12. Koon Ying Bairm - N. em 1 de Out. de 1871 - F. em 8 de Abril de 1912
13. Celestina Maria Xavier - N. em 7 de Julho de 1911 - F. em 8 de Janeiro de 1998
14. CELESTINO MARIA XAVIER (PHYA BIBADH KOSHA) - NASCEU EM 18 DE OUTUBRO DE 1863 - FALECEU EM 30 DE OUTUBRO DE 1922
"THY WILL BE DONE" (Transcrita fielmente a inscrição da placa) 
15. KHUNING SRISAR VACHA (HARSARET LIN XAVIER) NASCEU A 25 DE MAIO DE 1868 (Ilegível a data do falecimento) - Aventamos a hipótese que Khuning Srisar Vacha. deveria ser a esposa de Celestino Maria Xavier, dado ao título honorífico que ostentava, só conferido a senhoras esposas de proeminentes figuras ligadas à Corte. Costume que nos dias de hoje se mantém. 
.
No cemitério da rua Silom, há 20 anos, estavam por lá muitas sepulturas (iremos tratar, este assunto próximamente) bem cuidadas, flores, em jarras, frescas e lápides com nomes portugueses.
.
Entre essas duas abandonadas divididas por cerca de um metro, pertenciam a dois cônsules portugueses: Luis Leopoldo Flores e do Dr. Joaquim Campos
.
Desde que as encontrei, pela primeira vez, nunca mais ficaram desprezadas. Encarreguei uma "mulherzinha" já velha que andava por ali a limpar sepulturas para, retirar os "cacos" partidos de jarras que se encontravam espalhados pelo chão e as ervas em redor. 
.
Com uma "mark pen" preta avivei as letras de seus nomes nas placas. Estavam por ali esquecidos os dois cônsules de Portugal e até deu para meditar:
.
"Tudo neste mundo existe enquanto há vida e depois de terminar vai-se a memória de vida, enquanto foram vivos, dos que partiram. Nem sempre a glória ou desaire da presença do Homem Português (já que mais não fosse o prestígio de ter ser sido português) na Ásia, lhe chegou depois da morte. Ficaram por aí esquecido e valha-nos, ainda, os poucos túmulos, com os epitáfios, existentes, para que alguém interessado na história investigue a vivência de sua passagem por terras do Oriente". 
.
Voltei uns dias depois para fotografar as sepulturas com os nomes portugueses. A porta do mausoléu da Família Xavier estava segura por um arame, desengoncei-o e entrei dentro. 
.
Uma família completa, dormiam o sono eterno nos túmulos cavados no solo do mausoléu e cobertos com placas de granito. 
.
Lápides apostas nas parede aparador de mármore sem jarros e há muito ninguém ali tinha colocado uma flor que fosse ou mesmo de matéria plástica.
.
Ontem quando o visitamos, mesmo murcha que fosse, não se quedava naquela mesa, uma flor e à sua volta apenas o ambiente de um silêncio sepulcral. Porém, fora daquele mausoléu e uma vaidade necrópole (porque não os vivos, enquanto vivem, se não devem orgulhar, do que hajam sido em vida depois da morte?), árvores, jacarandeiras, cuja ramagem chegavam à cúpula daquele pequeno palácio, do silêncio.
.
Porém na ocasião que o vi, em verdade, não liguei demasiada importância ao facto e, dentro, estaria, mais uma família portuguesa, ou lusa-descendente, extinguida numa cidade onde a esperança de vida era curta. 
.
A cólera a malária, a fraca qualidade de conservação dos alimentos terminava com a vida, das pessoas muito cedo. 
.
A minha investigação em procura da procedência e raizes da família Xavier ficou esquecida por mais de duas décadas.
.
Tive conhecimento, entretanto, através da leitura que L. Xavier tinha sido proprietário de uma fábrica de descasque de arroz algures em Banguecoque e junto à margem do rio Chao Prya (Klong Kut Mai).
.
A informação chegou-me graças a um livro adquirido em 1994 "Twentieth Century Impressions of Siam: Its History, People, Commerce, Industries, and Resources" - Arnold Wright - Oliver T. Brakspear - Edição de 1908 e editado, há anos pela "White Lotus" ( www.whitelotuspress.com ) da cidade de Banguecoque.
.
Uma obra com interesse e muito útil a todos os investigadores interessados na história do antigo Reino do Sião, que recomendamos adquiri-la.
.
Para facilitar a informação aos historiadores e, para que a nossa tradução livre possa, inocentemente, deturpar a história, vamos transcrever o texto em língua inglesa e inserir as fotos relativas à fábrica de descasque de arroz.



A fábrica de descasque de arroz da clã Xavier
 .
"His Excellency Phya Phipat Kosa, The Permanente Under-Secretary of the State for Siam, is the head of one of oldest European families in the country. His ancestors came from Portugal do Bangkok upwards of a hundred years ago, and members of the family have held important posts under the Government almost continuously since that time. His Excellency´s father, Mr. Luiz Xavier - for Xavier is the family name, although the subject of this sketch is now generaly known by his official title of Phya Phipat Kosa - held the post od Deputy-Minister of Finance, and also that of honorary Consul of Portugal. After spending the best years of his life in the Governemnt service, he retired in orden to have more time to devote to his many private business interests, which were requiring his personal Bangkok, and educated in England and on the Continent. Having completed his studies, he entered the Foreign Office, and was shortly afterwards attached to the Royal Siamese Legation in Paris. On returning to Siam his promotion was rapid, and he soon attained the responsible position he now holds. In addition to official responsabilities he has the control of importante business interests, for he owns a rice mill and a considerable amount of land property. The mill is situeted on the Klong Kut Mai, and is noted for the high quality of white rice it turns out. His Excellency has just completed the construction of the granulating mill further down the river, wich is the second only of its kind in Bangkok. The mills are known by the name of the L.Xavier Rice Mills". 

Tradução livre 
"Sua Excelência Phya Phipat Kosa, o Permanente Sub-Secretário do Estado para Siam, é o chefe de uma das mais antigas famílias europeias do país. 
.
Seus antepassados ​​vieram de Portugal há mais de uma centena de anos atrás e membros de sua da família já ocuparam cargos importantes sob o governo, quase continuamente, desde então seu pai Sua Excelência Sr. Luiz Xavier -.  
.
Xavier é o nome de família, embora o assunto deste esboço é agora conhecido pelo seu título oficial de Phya Phipat Kosa - ocupou o cargo de Vice-Ministro das Finanças e também a do cônsul honorário de Portugal.
.
Depois de passar os melhores anos de sua vida ao serviço do Governo Siamês, aposentou-se em orden para ter mais tempo para se dedicar a seus muitos interesses empresariais privados, em Banguecoque que estavam exigindo sua presença pessoal, educado na Inglaterra e no continente europeu. 
.
Tendo completado seus estudos, ele entrou para o Ministério das Relações Exteriores, e pouco depois foi ligado à Real Siamese Legação em Paris. 
.
Ao voltar para o Siam sua promoção foi rápida e ele logo alcançou a posição de responsabilidade que ele tem agora. 
.
Além de responsabilidades oficiais, ele tem o controle de interesses comerciais importante, pois ele é dono de um moinho de arroz de uma quantidade considerável de propriedade da terra. 
.
A usina está situada no Klong Kut Mai, e é conhecida pela alta qualidade de arroz branco que parece. Sua Excelência acaba de concluir a construção da fábrica de granulação mais baixo do rio, wich é a segunda e único de seu tipo em Banguecoque. Os moinhos são conhecidos pelo nome dos L.Xavier Rice Mills ".
.
Após ter feito a descoberta que a família Xavier era de descendência portuguesa, fui procurar na reduzida informação em minha posse. 
.
Nas cópias extraídas de um livro de assentos de nascimento,casamento e óbito do Consulado de Portugal em Banguecoque vamos encontrar no registo número 37 o seguinte: "Falecimento de Joaquim Maria Xavier, com 88 anos, em 4/10/81, natural de Macau, comerciante, viúvo, morreu de senilidade. Foi sepultado no cemitério da Igreja do Rosário. Lavrou o óbito o missionário E.B. Dessalles e certifica-o o cônsul Henrique Prostes". 
.
Na continuação da nossa "vasculhação" abrimos a obra "Portugal na Tailandia", escrita pelo Padre Manuel Teixeira, editada em Maio de 1983 (consulado do Embaixador Melo Gouveia), pela Imprensa Nacional de Macau. e vamos encontrar na página 259 o seguinte:

. LUIS MARIA XAVIER - Vice-Cônsul
.
No Arquivo do Consulado Português de Bangkok encontrámos vários dados sobre Luis Xavier, que completamos com outros respigados nos Arquivos de Macau.Num documento de Agosto de 1902, lemos: " Joaquim Maria Xavier, natural de Macau, faleceu há muitos anos; deixou três filhos e duas filhas: - 1. Luis Maria Xavier, que foi Vice-Cônsul - 2. Joaquim Maria Xavier - 3. Viriato Maria Xavier - 4. Leopoldina Maria Xavier - 5. Alexandrina Maria Xavier". 
.
Joaquim e Viriato faleceram em tenra idade já há alguns anos; Luis há mais dum ano e meio, deixando um filho legítimo, Celestino (Phya Piapat Kora; Leopoldina faleceu há algum tempo, deixando 5 filhas e 3 filhos: 1. Maria Francisca de Jesus - 2. Guilhermina Antónia Inês de Jesus - 3. Amélia Maria de Jesus - 4. Emília de Jesus - 5. Libânia Victória Leopoldina - 6. José de Jesus - 7. Guilherme F. Jesus - 8. Adeodato Francisco, que está em Paris como adido da legação siamesa.
.
Libânia Victória Leopoldina casou em 1903 com Germano Egídio de Jesus, nasceu a 1-9-1875 em Bangkok, filho de Filomeno Manuel de Jesus e de Micaela Antónia da Silva, de quem teve um filho, Victor Germano Egídio de Jesus; este casou em segunda núpcias, em 1905, com Guilhermina Antónia Inês. Sobre Joaquim Maria Xavier, irmão de Luis Maria Xavier, aparece no Consulado este documento:

Uma foto rara (1905) do terreno do Consulado de Portugal, com o mastro e a bandeira das quinas a flutuar no vento. O pau de bandeira, foi por muitos anos o ponto de referência, da navegabilidade dos canais em direcção ao Rio Chao Prya. A doca de Banguecoque quedava-se a cerca de 200 metros, a jusante (ainda nos dias de hoje existe o edifício da alfãndega em ruinas) e onde todo o tráfego marítimo, cargas e descargas de mercadorias locais e estrangeiras se processava. 
.
"Que pela morte do aludido Joaquim Maria Xavier (troco) tendo ficado dele um terreno situado quase ao pé d´este consulado e confrontado por nascente com o terreno do Governo siamês pelo poente terreno do consulado geral de Portugal, norte da Bush Lane e sul missão americana, terreno em que existem três pequenas casas de madeira cobertas de folhas de palma, sendo duas pelo lado ocidental e uma pelo lado oriental, e mais uma ao centro também de madeira pertencente ao aludido Phya Pat que a mandou levantar não pode ser materialmente dividida em três partes iguais, vista a situação dos prédios já mencionados.  
.
Que por estes mesmos outorgantes, de comum acordo, resolveram que o mesmo terreno seja vendido em hasta pública, perante este consulado geral, para ser o produto dividido na razão do direito de sucessão em três partes, sendo uma delas sub-dividida entre os representantes do 3º ramo - Leopoldina Maria Xavier.
.
(ass.) Luis Leopoldo Flores, Maria Francisca de Jesus, Guilhermina A.I. de Jesus, Amélia Maria de Jesus, José Maria de Jesus (ilegível, feitor de G.A. Jesus), Domingos Maria Xavier, Eusébio Sequeira", (mais um nome ilegível).
.
Luis Maria Xavier foi nomeado Vice-Cônsul em 6 de Agosto de 1889, sendo demitido pelo seguinte ofício de 13 de Outubro de 1894 do cônsul Frederico António Pereira: "Tenho a honra de informar V.Exa. que, sendo altamente repreendido pelo Director-Geral dos Consulados, por ter deixado este Consulado, durante a minha ausência, entregue a V.Exa que não soube ou não se dignou cumprir com as instruções que eu lhe tinha deixado, sou obrigado a dar-lhe a sua demissão.
.
Queira portanto V.Exa considerar-se demitido do cargo de vice-cônsul de Portugal desde a data deste" Eduardo Augusto Rodrigues Galhardo, Governador de Macau (1897-1900), visitou Bangkok em 1898. 
.
No relatório que elaborou após a visita escreve acerca desta demissão"...(Há) " um agravo e uma injustiça que está pesando sobre um cavalheiro a quem Portugal deve gratidão pelos serviços desinteressados prestados ao país, e pela protecção que tem dispensado e está sempre pronto a dispensar a todos os súbditos portugueses que se lhe acercam. 
.
Este cavalheiro é o cidadão português Luis Maria Xavier, nascido em Bangkok de pais portugueses, cavaleiro e comendador da ordem militar de Nosso Senhor Jesus Cristo, que goza de maior consideração por parte das autoridades locais e dos estrangeiros residentes, e que tem feito da sua fortuna e da sua influência pessoal largo uso a bem dos seus compatriotas.
.
Luis Maria Xavier foi em 6 de Agosto de 1889 nomeado vice-cônsul de Portugal em Bangkok; como tal, prestou muitos e desinteressados serviços, zelando pelos interesses dos súbditos portugueses durante o período crítico da Guerra franco-siamesa e promovendo tudo o que pudesse engrandecer a sua pátria naquele país, como já anteriormente tinha feito, sendo um dos que mais trabalharam para conseguir um edifício para o nosso consulado, propriedade do Governo de Portugal e em terreno português, no que logrou ver coroados de êxitos os seus esforços, para o que adiantou o capital necessário, que depois lhe foi pago por decisão do governo.
.
A honestidade e respeitabilidade deste cavalheiro abriram uma separação entre e ele e o cônsul Pereira, que sabia perfeitamente não encontraria no vice-cônsul aprovação ou auxílio para qualquer acto que não fosse absolutamente legal e justo e que, receando uma observação ou a representação oficial da parte de quem, residindo na localidade, a podia fazer com tantos e tão seguros elementos, evitava a todo o transe entregar-lhe o consulado.
.
Foi assim que, durante a ausência do cônsul Pereira em 1890, o consulado de Portugal, em vez de ser gerido pelo vice-cônsul, ficou a cargo do cônsul da Holanda.
.
Na segunda ausência do cônsul Pereira em 1894, naturalmente porque o estado dos negócios do consulado era já assás conhecido e não houve cônsul estrangeiro que aceitasse o encargo, ficou a gerência entre ao vice-cônsul Xavier: se a honestidade deste lhe fazia condenar o procedimento do cônsul Pereira, o seu caráter bastante generoso calou o que viu e o que já sabia, e durante a sua interinidade só procurou acudir aos interesses dos súbditos portugueses que, naquela época anormal, reclamavam especial atenção, e sanar os atritos que da passada gerência iam surgindo.
.
Voltando o cônsul Pereira a retomar o seu posto, dirigiu ao vice-cônsul, em paga de não haver denunciado as suas faltas, sem haver a mais leve troca de explicações: um ofício de poucas linhas, com ele, cônsul Pereira, lhe dava a demissão de vice-cônsul e dizia que se considerasse demitido desde a data do ofício, 13 de Outubro de 1894. 
.
Sem conhecer bem do valor da demissão nos termos em que lhe era comunicada, Luis Maria Xavier julgou-se contudo fundamente ofendido por um tão injustificado e brusco procedimento, tão oposto aquele que lhe tinha direito a esperar, e dirigiu, poucos dias depois, em 27 de Outubro, uma exposição documentada a sua excelência o ministro dos negócios estrangeiros daquela época, relatando o sucedido e esperando a satisfação que lhe era devida.
.
A essa exposição nunca obteve resposta, e de então para cá aquele respeitável ancião tem vivido amargurado com a ofensa que recebeu do representante do seu país, ao qual ele tantos serviços prestou, mas nem por isso tem deixado de continuar a ser-lhe dedicado, e de espalhar favores pelos portugueses que o vão procurar, conseguindo para eles, das autoridades siamesas, graças que o cônsul nunca conseguiu por não ter influência para as obter. 
.
(1) Refere-se à guerra de 1893: a 10 de Julho o Governo Francês avisou o príncipe Dewawongse de que as canhoneiras Inconstant e Cométe cruzariam, a 13 deste mês, a barra do rio Chào Phya a caminho de Bangkok. Sendo recebidos a tiro, conseguindo ancorar em frente da Legação Francesa. M.Develle, Min.º dos Neg. Est. da França mandou um ultimatum a 20 de Julho com pesadas cáusulas, que o Sião foi forçado aceitar. 
.
O Governo português certamente não pode e não quer ser solidário com tão grande arbitrariedade, que revolta pela injustiça e pela ingratidão que encara: é justo que o cidadão Luis Maria Xavier, que nasceu em Bangkok, que nunca viu Portugal, e que, apesar disso, naquele recanto do mundo tem sido em toda a sua vida já longa dedicada a Portugal e aos portugueses, saiba, mesmo na velhice, que a Pátria teve conhecimento da sua dedicação, e que não é injusta para com aqueles que dela bem merecem.
.
Parece-me um acto de justiça, a reintegração do cidadão Luis Maria Xavier, proprietário residente em Bangkok, no cargo de vice-cônsul de Portugal naquela cidade:reparação que apenas depende da cumulação de um ofício ditado por meu espírito elucidado.
.
Como sinal de reconhecimento pelos muitos importantes serviços por ele prestados, não duvido solicitar de V.Ex.ª, acompanho-o de particular recomendação.
.
A 6 de Outubro de 1899, Galhardo voltava a chamar a atenção do ministro para a reparação dessa injustiça.
.
A 9 de Maio de 1899, F. Neiva, Ministro dos Negócios Estrangeiros, respondeu que ia propor ao rei a condecoração para o ex-vice-cônsul Luis Maria Xavier; mas quando à sua reintegração no consulado, dependia do cônsul, Luis Corrêa da Silva, a quem competia escolher empregados de sua confiança.  
.
Quanto a Frederico Pereira, sugeria que se lhe fizesse um inquérito rigoroso, dada a gravidade dos factos da sua gerência. 
.
De facto, a Luis Xavier foi concedida a condecoração de Comendador; e o Cônsul Luis Corrêa da Silva entregou-lhe o consulado a 9 de Setembro de 1900, em que se retirou para Portugal. Ele geriu-o até à chegada do novo Cônsul, Luis Leopoldo Flores, em 22 de Dezembro desse ano. Assim lhe foi reparada a injustiça.
.
À MARGEM
A nossa investigação em cima da família Xavier, de origem portuguesa, residente em Banguecoque não ficou finalizada. Necessitamos de procurar se ainda vivem descendentes. Se a fábrica de descaque de arroz ainda labora, se passou para outras mãos ou se abandonada. 
.
A família Xavier, sem termos qualquer dúvida em o afirmarmos foi a família mais antiga, portuguesa, que se instalou na nova capital do Sião. Celestino Maria Xavier, foi um dos selecionados por S.M. o Rei Chulalongkorn, e certamente um dos privilegiado com uma bolsa de estudos para ser educado no estrangeiro. 
.
O grande Rei, além de conceder bolsas de estudo a siameses enviou seus filhos para capitais europeias para ali serem instruídos e de volta ao Sião contribuírem para o desenvolvimento da monarquia.
.
O Patriarca da família, Joaquim Maria Xavier, emigrou de Macau para Banguecoque (igual a outros macaenses que exerceram importante funções na Corte do Sião) e teria começado a construir o seu império de negócios, aí por volta de 1820 de quando foi doado o terreno a Portugal para construir Feitoria.
.
Pelo que analisamos foi um homem de grande influência junto da Corte de três Reis: Rama III,IV e V. Seus filhos, luso-descendentes, nunca deixaram de gostar de Portugal e Joaquim Maria Xavier optou por dar nomes de baptismo portugueses a seus filhos.
.
Não se encontram referências dos Cônsules Portugueses no Sião a enaltecerem a família Xavier e a posição de Celestino Maria Xavier, como Sub-Secretário de Estado e Vice-Ministro das Finanças. 
.
Compreendemos que certos cônsules de Portugal se deixavam envolver em "fastidiosas" intrigas de que não lhes dava para se acolmatar aos que os rodeavam, diplomaticamente. 
.
Pelo que transcrevemos acima, do Monsenhor Manuel Teixeira, bem razão temos para o afirmarmos, que (certos) acervos de Poder inventavam, difamavam os que os serviam, em prejuízo do país que representavam.
.
José Martins 
.
P.S. Material de imagem inserido foi obtido de várias publicações da época e outro do autor