segunda-feira, 10 de novembro de 2014

MARIONETAS DE ALCOBAÇA EM BANGUECOQUE - TAILÂNDIA


A vinda da companhia S.A. Marionetas foi patrocinada pelas entidades acima designadas na imagem

Primeiro espectáculo em 7 de Novembro de 2014

Inserido no mundial, mega festival, "Harmony World Puppet Carnival Bangkok Thailand", com a participação de dezenas de companhias, do mundo, de titeres, está decorrendo na capital tailandesa de 1 a 10 de Novembro de 2014. Ontem, dia 7, a companhia S.A. Marionetas de Alcobaça exibiu no auditório "Princess Maha Chakri Sirindhorn Anthropology Centre" o primeiro de dois espectáculo que levarão a efeito durante o festival. As imagens a seguir, legendadas dão conta do evento, cultural, português em Banguecoque.
.
O cartaz do evento
Os artistas lusos de Alcobaça, Natacha Costa Pereira, José Gil e Sofia Vinagre, com mestria, manipularam as marionetas...
José Gil preparado para o espectáculo, que mais parece um forcado preparado para entrada na praça e pegar o touro...
Uma hora antes do espectáculo ensaia-se a luz que irá refletir nos bonecos d pequeno palco.... Eu precupado, porque não via público à porta para entrar no espectáculo. A fúria das núvens, pela manhã despejou cântaros de água pela capital tailandesa...
O José Gil, com a Natacha acertam as agulhas com dois bonecos fabricados de esponja. Não há público no auditório, além do pessoal técnico....
Chegam as primeiras pessoas com a sua criança. O espectáculo tem a classificação de graúdos e miúdos...
E a sala do auditório molda-se de espectadores
Faltam pouco minutos para o início do espectáculo e o auditório sem estar, na totalidado ocupado, vejo-o com uma certa satisfação... 
O espaço do auditório fica na escuridão. Na língua inglesa e tailandesa é explicado aos presentes o espectáculo a que vão assistir. A seguir José Gil, manipula um gatito, de esponja, em cima do pequeno palco...
 A Natacha o José Gil e os dois gatitos...
Surge então um rapaz e na mão esquerda um ramo de flores...
Aproxima-se uma rapariga a quem o rapaz oferece o ramo de flores... Ali há timidez e dúvida da rapariga da seriedade do rapaz...
A bola e o jogador de futebol
O rapaz a bola e o jogdor
 O jogador de futebol, para impressionar o rapaz manda-se a um pontapé na bola, bem conseguido, de bicicleta!!!
O intelectual, sentado, num sofá e muito concentrado na leitura do livro.
E chega o gatito para brincar...
 O intelectual não está pelos ajustes para brincadeiras...
o chatítssimo gatito vê-se abandonado, porque o intelectual não deseja brincadeiras...
Entra a rapariga em cena... será que ela agora vai aceitar o conquistador?
Aí está o seu futuro amado e dirigi-se para uma prancha....
O "pinga amor" sentado à prancha onde vai pintar um quadro...
A Natacha e o José Gil dão vida ao pinga amor e a expressão de obcecado pelo amor...
E assim  lhe chega a sua amada, enquanto fala, para alguém, no seu telefone móvel...
O pinga amor, com o quadro onde pintou um coração que vai entregar à sua fofa...
A fofa entrega-lhe um coração e absolutamente combinados  juntar os trapinhos..
Entretanto chega o gatito ue vem fazer xixi, numa caixa e com as patitas atira para trás terra e mostra que é um gatito higiénico...
E os amorosos, combinados, para o nó e ternamente vai dar a primeira beijoca... e na boca!!!
E logo ali surge o vestido de noiva e a música da marcha nupcial... Cena enternacedora... De notar a expressão, carinhosa, dos noivos..
Encerra o espectáculo com o aparecimento, em cena, do gatito cujo este foi a figura principal do espectáculo...
 No final os público deseja ver os bonecos e os artista de Alcobaça...
Um grande plano...
Uma foto para recordar... 
O público deseja ver os bonecos de Alcobaça de perto....
Desejam-lhe tocar-lhe com as mãos...
Tiram fotos a crianças com bonecos na cabeça...
Imagem bonita e enternecedora... o boneco dá a impressão que tem vida!!!
No meio daquele entusiasmo, até eu mesmo, fui uma criança entre as outras...
Menino a quém não se lhe vêm o rosto ria-se às gargalhadas....
Um artista, tunisiano, tira uma fotografia com um boneco de alcobaça...
José Gil explica a seus colegas da Tunisia a fabricação dos seus bonecos.
A Sofia troca dois dedos de conversa com um espectador... 


O jovem, tailandês assistente ao grupo português. Reparei o escudo de pernas para o ar...

Artistas, vindos da Tunisia, preparam seus dinossauros para o espectáculo do dia seguinte...
Presentes umas caras giras e sorriso de assistentes, tailandesas, aos grupos, artísticos, estrangeiros.
Cara, bonita e cândida que surge no visor da minha Nikon, tenho que baixar o disparador. Esta foi a minha imagem, ontem e do dia.
E ela sorriu-se para mim...

Informações sobre o espectáculo

Pequenas histórias de um lugar onde os seus habitantes vivem as mais variadas peripécias. A inocência das ações resulta em momentos hilariantes de humor vividos pelas personagens esculpidas em esponja. Os sons e os movimentos substituem as palavras, as marionetas cativam-nos com a sua simplicidade transportando-nos para um lugar mágico e cativante e etc., etc., etc… entretanto o pequeno gato fez algo que não devia, e etc., etc. ... 

"A simplicidade é complicada. Este oximoro só se realiza se experiência, competência e gozo confluírem. Seja na equação das pequenas coisas, no saber viver o dia-a-dia, seja na construção de um espectáculo, etc, etc. "ETC" é um desses (raros) exemplos em que o complicado se torna simples e o milagre da comunicação - o segredo âncora da arte -, acontece, etc, etc."

João de Mello Alvim, Director Artístico do Festival Periferias / Chão de Oliva 

“Um espectáclo inovador, sem palavras em que transmite uma mensagem estimulante e divertida. Movimentos simples e com uma magia e vida muito própria”

Elisa Vilaça - Curadora do Museu de Marionetas de Macau

"Your show ETC. It was one of the best performances in this year program and it proved that simple can be perfect."

Selcuk Dincer - Director do Festival "Izmir International Puppet Days" Turquia 

Original e Encenação: José Gil, Natacha Costa Pereira e Sofia Vinagre

Produção: S.A.Marionetas –Teatro & Bonecos

Espectáculo sem palavras

Duração:45 minutos / classificação: maiores de 4 anos / espectáculo de espaços interiores com caixa negra

Monday, November 10, 2014


MARIONETAS DE ALCOBAÇA EM BANGUECOQUE - TAILÂNDIA

.
Depois do primeiro espectáculo no dia 7 do corrente mês clicar AQUI , da companhia A.A. Marionetas de Alcobaça, teve ontem 9 de Novembro a segunda apresentação, na sala média do National Theatro da cidade de Banguecoque. As imagens a seguir, legendadas, dão conta do evento cultural português na Tailândia.
O cartaz, apresentar, o tema em cena
O cartaz com o programa onde mais de 70 companhias, oriundas de países estrangeiros, actuaram durante 10 dias, em 11 salas de espectáculos, na capital tailandesa.
O Dom Roberto será o boneco principal que vai ser manipulado. Dom Roberto é o tipo característico do vilão, português, que escaqueira tudo e todos, que lhe aparecem pela frente, à paulada.
Com dois dias de antecedêndia os bilhetes para o espectáculo, português Dom Roberto, estão esgotados. Cerca de uma hora antes o publico começa a concentrar-se à porta de entrada da sala onde vai acontecer a representação.
A bicha vai alongando-se... Não há números atribuídos aos bilhetes... Os chegarem primeiro sentam-se nos lugares da frente e mais perto do palco.
Embaixador de Portugal Luis Barreira de Sousa senta-se ao lado de Sofia Vinagre e Natacha Costa Pereira, duas artistas da companhia S.A. Marionetas de Alcobaça.
Mas as cadeiras já não chegam para se acomodarem e sentam-se no chão graúdos e miúdos...
A salada apinhada de gente à espera do início do espectáculo.
O Zé Gil, no palco, apresenta-se, em português e depois passa a explicar o seu espectáculo na lingua inglesas.
No quadrado de cerca de um metro 1,80 surge o Dom Roberto e a sua próxima a falarem aos guinchinhos...
E começa assim a pancadaria entre o Dom Roberto e a sua primeira vítima..
Dois engalfinhados
Sai cacetada e caçorolada numa luta terrível...Riso dos grandes e gargalhadas dos miúdos...
Dom Roberto, o terrível, elimina o seu adversário e aos guinchos festeja a vitória....
Enterrar os mortos é o dever do cristão. Chega o cangalheiro e um caixão...
A vítima de Dom Roberto é acomodada no caixão
Alguém surge agora para contas com o Dom Roberto pela prática do seu infame crime...
E... que queres tu? Espera pouco pá e Dom Roberto desaparece e surge com o seu, infalível cacete...
E... uma cacetada na pinha Dom Roberto se o disse antes melhor o fez...Mata o seu segundo adversário....
Agora Dom Roberto está a contas com o diabo que pretende levar a sua alma, para o inferno, a todo o preço.
Aos gritos Dom Roberto: "Marrafico de uma figa vou mandar-te para as profundas do inferno!!!"
Paulada aqui, ali e nos cornos do marrafico limpou o sebo ao diabo...
Dom Roberto aviou mais dois e são três que foram para o diabo que os carregue...
Mas a alma da primeira vítima do Dom Roberto chega do outro mundo para se vingar do vilão...
Ai tu outra vez? Diz-lhe Dom Roberto pera,pera aí que te arrumo pela segunda vez..
E a alma, finada, vinda do outro mundo, gramou a segunda morte com uma caçorolada...
Dom Roberto vitorioso e seus troféus sauda o público dizendo: sou o maior!!!
Zé Gil, sai do cúbiculo quadrado, forrado a pano o mostra, ao público, o Dom Roberto, o terrível, que ele manipulou e deu vida! O Zé anuncia o próximo espectáculo... Uma tourada portuguesa.
Na praça está o tourinho..
Um tourinho, medroso, acobarda-se à capa do toureiro e vira-lhe o traseiro.
Entra o forcado...
O tourinho, como ao toureiro, foge... Um animal sem garra e de raiva mansa...
Sem acção, ao rabujador que lhe estica o cauda, o tourinho não se excita e não deu....
Zé Gil mostra o heroi forcado ao público e dá por terminado o espectáculo que durou, cerca de 40 minutos.
O embaixador Luis Barreira de Sousa junta as sua palmas às público...,
Sala cheia de palmas ao espectáculo, português, secular dos títeres que fez a alegria dos portugueses em feiras, mercados e em todas as ruas de Portugal no seu todo.Seria impensável, no meu tempo de miúdo e já piçudo o espectáculo dos bonecos Robertos chegar aos palcos... Era então a comédia, de rua e das dávidas de um,dois, três, quatro e cinco tostões.
Zé Gil visivelmente satifeito e sob, ainda dos aplausos do público desarma a pequena barraca....
O público apinhado à sua frente para lhe tirar bonecos a si e aos actores, mortos, que lhes deu vida.
Alguns, espectadores desejam tocar-lhe com as mãoe e sobem ao palco..
Embaixador Luis Barreira de Sousa, junto aos artistas, bonecreiros, portugueses de Alcobaça, em foto de família.
Caras bastantes jovens e giras, desejam uma foto, junto ao Zé Gil e o homem que os fez rir como bandeiras despregadas!!!
Um artista, empunhando o tourinho, junta-se ao Zé Gil para a foto.
A satistação, na sala, foi generalizada... a prova está nesta imagem!
Já o espectáculo tinha terminado havia um bom quarto de hora Zé Gil continua a mostrar a sua arte ao público que de telefone móvel levantado tiram-lhe fotografias.
Um artista, francês, de doze anos junto ao Zé Gil e do Dom Roberto enfiado na mão esquerda...
O Zé Gil oferece ao jovem francês um livro onde conta as história dos bonecos, manipulados, portugueses.
A simpatia da Lovely Corn Leechanon, a assistente do José Gil, da Natacha Costa Pereira e da Sofia Vinagre, uma amor de jovem estudante de 19 aninhos. Deus a guarde e a livre de maus encontros....
A bandeira de Alcobaço e das Quinas é mostrada a todos na sala...
O Zé Gil continua, orgulhoso, segurando com a mão direita a ponta da bandeira das quinas e na esquerda o seu Dom Roberto o mau da fita... ou melhor: o matador!
Estes dois amores, de raparigas, chegaram do Brasil. São também artistas. Os portugueses e os brasileiros quando se encontram no estrangeiros são de factos irmãos!!!!
O Zé Gil já preparado para arrumar os bonecos na mala troca uns dedos de conversa com suas admiradoras.
E sai o último boneco fotográfico com amigos. No festival fazem-se muitos amigos... Eu, mesmo velho que sou fiz algumas amigas para o meu Facebook.. Não engano ninguém, entenda-se, todas viram a cara do velhinho, em pessoa!!!...
A foto que ficará para recordação, o José Gil, a Natacha Costa Pereira, a Sofia Batalha e assistente, linda e sorridente, Lovely Corn Leechanon.
.
José Martins (num trabalho que lhe deu imenso prazer faze-lo)

Tuesday, November 11, 2014

"BONECREIROS PORTUGUESES NA TAILÂNDIA"


 O prémio e certificado de presença do grupo português de marionetas de Alcobaça, em Banguecoque.

A companhia S.A. Marionetas de Alcobaça durante 10 dias que permaneceu no certame cultural "Harmony World Puppet Carnival Bangkok", foi a grande desconhecida dos portugueses, residentes, na capital tailandesa.
.
Salvou a honra do convento o embaixador Luis Barreira de Sousa que ofereceu um "armocinho" ao grupo composto de 3 artista: José Gil, Natacha Costa Pereira e Sobia Vinagre e presente, no dia 9, último, mês corrente na exibição da peça, bonecreira, Dom Roberto, no National Theatre da capital tailandesa que bem pode escrever um ofício, dirigido  a Sua Excelência o Ministro dos Negócios Estrangeiros Rui Machete, que  atingiu sucesso, em Banguecoque, o grupo de Alcobaça.  
.
Houve portugueses que desejararia ver os bonecos portugueses de Alcobaça, em Banguecoque, mas infelizmente não tiveram conhecimento, com atencedência, para se precaverem de bilhetes, ou mesmo de borlas (porque mesmo com a faltas destes toda a gente entrou, especialmente as crianças). 
.
Um português pai de duas crianças, residente em Banguecoque, teve conhecimento do grupos de Alcobaça pelo blogue Aquitailandia, que desde logo nos contactou pelo Facebook que não ia porque telefonou para a agência que vende bilhetes e já esgotados. Mandamos-lhe uma mensagem:Pedro apareça à porta, do teatro, que vamos poder meter lá dentro as suas crianças! 
.
Uma hora antes do início do espectáculo uma outra mensagem: Pedro venha com sua esposa e filhos que entram. Resposta: as crianças estão a dormir e agora não as vamos acordar.  
.
Porém, depois do compromisso da companhia de bonecos com a organização, creio que não haveria qualquer problema e imensamente bonito que o Serviço Cultural da Embaixada de Portugal, tivesse organizado um sol posto no jardim da residência para a comunidade portuguesa residente em Banguecoque. 
.
Claro se assim fosse programada a "bonecrada" na embaixada, poderia o grupo de portugueses (não sei se uma nova elite de "tugas" e aves de arribação), deliciarem-se com o "armocinho", genuinamente português e verem, então, os bonecos, no jardim da residência dos embaixadores de Portugal no Reino da Tailãndia. 
A nova elite, "tuga", residente em Banguecoque, enquanto os bonecreiros de Alcobaça actuavam deliciava-se com "comidela" à maneira, portuguesa no 1º encontro gastronómico.
.
Registo, aqui a modéstia dos bonecreiros de Alcobaça que nem um lamento ou crítica à falta de portugueses nas suas exibições.  
.
Por último há imperiosa necessidade de que as pessoas que ganham o dinheiro dos contribuintes, que se compenetrem que quando são enviados para servir Portugal, no estrangeiro, que não façam o lugar como um espaço de lazer ou de turismo.
José Martins
Os bonecreiros portugueses de Alcobaça. Da esquerda para a direita: Natacha Costa Pereira, José Gil e Sofia Vinagre, ontem dia 10, corrente mês, aguardam, para com os colegas, artistas, tirarem a foto de família com todos os artistas de 83 grupos estrangeiros e individualidades do Governo da Tailândia.
Aqui o grupo português senta-se e aguardará a chamada ao palco para a entrega do certificado de presença no certame cultural
Aí vão eles alegres o Zé Gil empunha o Dom Roberto, o heroi da fita, enquanto a Sofia Vinagre e a Natacha Pereira os gatitos.
Comparei o grupo português à Pera Rocha de Alcobaça! Têm qualidade artística!
Excelente presença!!!
Juntos, agora ao Senhor Vira Rojpojchanarat, ministro da Cultura do Governo da Tailândia que o cumprimentam
Senhor ministro da Cultura mostra o certificado para as camâras fotográficas e de televisão.
A sala cheia bate palmas e a Natacha levanta a mão..
Não nos escapou pitada do acontecimento e registamos o acontecimento em imagens.
O Zé Gil mosta o prémio à assistência
O Zé Gil, ainda no palco dá uma olhadela ao prémio que acabara de receber.... Pois que voltem à Tailândia que cá estaremos, outra vez, para reportar a presença na Tailândia.