terça-feira, 22 de abril de 2014

HERANÇA PORTUGUESA NA TAILÂNDIA - ESTÁTUA DA NOSSA SENHORA AUXILIADORA RESTAURADA

.
Igreja da Nossa Senhora do Rosário situada no bairro português do mesmo nome e a uma centena de metros da missão diplomática de Portugal em Banguecoque
.
A estátua de Nossa Senhora Auxiliadora que uma comunidade luso-chinesa, de Ayathaya, encomendou em Portugal no século XVII e depois trouxe para Banguecoque na sequência da queda da antiga capital em 1767 e instalou na igreja de Nosso Senhor do Calvário, hoje em dia dedicada a Nossa Senhora do Rosário, foi, recentemente, restaurada pela organização francesa "Restaurateurs sans Frontières".
.

Dado que a simbologia da devoção a NS Auxiliadora não estava ainda completamente estabilizada no século XVII a estátua de castanho integra detalhes de outras devoções como um crescente de lua sob os pés de Nossa Senhora e um globo na mão esquerda do Menino Jesus - no qual o Golfo da Tailândia está virado para a frente o que comprovaria a estátua ter sido encomendada.
  A estátua de Nossa Senhora Auxiliadora depois de restaurada pela organização francesa "Restaurateurs sans Frontières".
.
Na Sexta-feira Santa à noite, antes das cerimónias próprias do dia, teve lugar a sua reintronização durante a qual o Presidente da Fábrica da Igreja, jovem sino-tailandês de traços físicos marcadamente portugueses, que preside igualmente o instituto homólogo do nosso IAPMEI, agradeceu aos restauradores franceses o trabalho generoso, e, na pessoas do embaixador de Portugal, aos portugueses, por terem trazido o Cristianismo para o Sião.
 A estátua da Nossa Senhora Auxiliadora antes e depois de restaurada.
.
De seguida o embaixador de Portugal, Luis Barreira de Sousa, louvou as várias contribuições francesas para a história da atual Igreja de NS do Rosário, construida em estilo neo-gótico francês no final do século XIX, e agradeceu à comunidade a fidelidade  às tradições que receberam dos seus antepassados. A reintronização terminou com uma comovente reconsagração da comunidade  à NS do Rosário.  
.
Tendo a antiga aldeia que circundava a igreja sido demolida nos anos setenta do século passado para dar lugar a um colégio, as famílias que compõem a comunidade estão hoje em dia espalhadas por toda a cidade reunindo-se apenas para as cerimónias festivas entre as quais a de Sexta-feira Santa é das mais concorridas congregando cerca de trezentas pessoas com surpreendente prevalência das mais novas.
Da esquerda para a direita: Senhor Robert Bougrain-Dubourg (chefe-restaurador), Pároco John Paitoon Homjinda e dois colaboradores da equipa restauradora da estátua de Nossa Senhora Auxiliadora.   
.
No fim das cerimônias próprias do dia teve ainda lugar uma procissão do Senhor Morto com uma estátua jacente de madeira policroma, também portuguesa do século XVII e igualmente resgatada de Ayutthaya, a qual é única na Tailândia e se encontra em excelente estado de conservação não tendo nunca sido decapada - ao contrário da de NS Auxiliadora.
.
Durante a sua intervenção inicial, embaixador de Portugal informara os circunstantes  que a procissão do Senhor Morto era uma rarissima tradição portuguesa que a paróquia de NS do Rosário  da capital tailandesa partilhava com a de Santa Catarina da capital portuguesa e com a de Santo António da antiga capital de Timor Leste no enclave do Oecussi.
.
A cerimónia, religiosa, de Sexta-Feira Santa registou a presença de cerca mil pessoas pertencendo metade à Comunidade da Nossa Senhora do Rosário e a outra metade a comunidades católicas de Banguecoque.