sábado, 7 de dezembro de 2013

NA PEUGADA DOS PORTUGUESES NA TAILÂNDIA - NUNO CALDEIRA DA SILVA

3ª parte



Um pouco mais acerca do dia a dia de Nuno Caldeira da Silva:

"Ocasionalmente, faz trabalhos de consultoria, fundamentalmente no sector das telecomunicações, para fundos de investimento estrangeiros (não sediados nem Portugal nem na Tailândia). Ainda nesta área funciona como "observador para a região " de um fundo de investimentos português.

Por outro lado ajuda, naquilo que pode, empresas portuguesas a encontrarem parceiros para os seus produtos na Tailândia com forte enfoque no sector dos vinhos onde desde há mais de 2 anos apoia de forma continuada uma empresa tailandesa que só trabalha com vinhos de Portugal. 

Ensina inglês a noviços num templo em Chai Prakhan cerca de 160 km ao Norte de Chiang Mai ou dando aulas ou apoiando o professor à distância.

Tendo gostado imenso da experiência de ensino no passado diz que esse "bichinho" nunca o largou. Sente um enorme prazer em poder contribuir, mesmo por pouco que seja, para o desenvolvimento desses jovens.

Portugal foi o primeiro país da Europa a encetar relações diplomáticas com a Tailândia (1511) há 502 anos e um relacionamento de amizade, ímpar, que nesta longa data nunca se haja registado conflito diplomático.  

Mas vamos ao que Fernão Mendes Pinto escreve, sobre o Reino do Sião, na Peregrinação, 2º volume, página 727, década quarenta do século XVI, relativa aos portugueses: E tratando neste seu testamento, dos portugueses que fomos com ele (Rei) a esta guerra, primeiro que de todos os outros, pôs nele uma verba que dizia assim:

“E aos cento e vinte portugueses que com lealdade vigiaram sempre na guarda de minha pessoa, darão meio ano do tributo da rainha de Guibém, e liberdade em minhas alfândegas, por tempo de três anos, sem lhe levarem coisa alguma de suas fazendas, e seus sacerdotes poderão publicar nas cidades e vilas de todo o meu reino, a lei que professam, do Deus feito homem para a salvação dos nascidos, como algumas vezes ne têm afirmado”.

José Martins
De acordo da história tailandesa a cidade de Chiang Mai foi fundada pelo Rei Mengrai em 1296. Foi, até aos dias de hoje, uma importante cidade. Na imagem o templo Wat Phra Singh.
Chiang Mai, a cidade e arredores de mais de 300 templos budistas. O Wat Phra Singh foi construído em 1345.
Monstros divinos guardam a entrada de uma das capelas
Mausoléu, construída em 1487 para guardar as cinzas do rei Ti-Logaraja
A descrição relativa a este templo encontra-se escrita, em inglês e tailandês acima
Divindade em estátua trajando robe na área aberta do templo.
Referente a esta imagem está a descrição acima
King Cobra (rei cobra) é uma, das muitas, mitologias siamesas
Divindades, em estátua, sob a sombra de uma grande árvore. 
Paredes do templos, com santidades, apostas
Sua Santidade Lorde Buda no interior do templo
Sinos fora do templo onde os peregrinos ao passar lhe dão uns toques.  
Na paz do Lorde Buda um monge senta-se junto a santidades em estátua.
Um poster a recomendar aos peregrinos para trajarem decentemente durante a visita ao santuário
Templo Wat Pra Singh Voramahvaihara.
Turistas de todas as nacionalidades são presença, constante, neste e noutros templos de Chiang Mai
7 monges budistas oram no interior do templo.
O altar do Lorde Buda e ornamentos
Dois monges tomam a sua única refeição do dia no interior do templo.
O espaço de silêncio  e de oração aos pés de Lorde Buda
3 novicos, em estátua, recolhem donativos
Flores para colocar no altar de Lorde Buda
A panorâmica do templo
Peregrinos chineses que vieram de Hong Kong com as suas bicicletas no avião.
Um monge refresca-se à sombra na traseira do templo.
Já fora do templo encontro, estranhos objectos, expostos na parede de uma residência.
 
Fim da 3ª parte.