quinta-feira, 26 de setembro de 2013

"CORRER O FADO" UM ENORME ESPECTÁCULO EXIBIDO EM BANGUECOQUE

Sala, palavra deixada pelos portugueses na Tailândia, no "Thailand Cultural Centre.

A companhia portuguesa " Quorum Ballet" actuou, no principio da noite de 25 do corrente, no "15º Festival Internacional de Dança e Música" no Thailand Cultural Centre, na capital tailandesa, com espectáculo, deslumbrante "Correr o Fado". 
.
Cerca de 1.400 pessoas, das quais 300 eram estudantes do ensino secundário e cinquenta do universitário admirou um evento de grande qualidade, rara beleza e no final, aplaudiu, demoradamente, a actuação, primorosa, do grupo de bailarinos. 
.
Parte da comunidade portuguesa, residente na Tailândia, esteve presente.


Seguem imagens,algumas, de fraca qualidade dado as condições impostas, tivemos de estar distante do palco onde decorria o espectáculo. 
.
Designamos ao fundo das imagens a história do fado, em Portugal de que do folheto do céguinho, das tabernas, da ralé e da "faca e alguidar" se internacionalizou.Recomendamos aos que nunca assitiram ao "Correr o Fado" desde que tenham oportunidade a não percam.

Ainda as cadeiras, da plateia do "Thailand Cultural Centre" ainda não estavam na sua totalidade preenchidas de público, de luzes acesas, surgiu a cantora Joana Melo de voz forte e timbrada.
No palco os primeiros movimentos, coreográficos, dos bailarinos Daniel Cardoso (director artístico) Theresa da Silva C., Filipe Narciso, Elson Ferreira, Inês Godinho, Mathilde Gilhet, Gonçalo Andrade, Inês Pedruco e sob a esplendorosa encenação
No palco do auditório do "Thailand Cultural Centre" está a ser representado "Correr o Fado", a mais representativa forma de expressão da cultura tradicional portuguesa....
....Numa multiplicidade de movimentos, sons, sensações e sentimentos, os bailarinos transmitem-nos com a sua arte, beleza e sensibilidade, tudo o que os nossos sentidos percebem e o nossos coração aprende....
 
Desmistifica-se a conotação saudosista e melancólica que o Fado carrega consigo...
Joana de Melo depois de cantar na plateia passa para o palco onde a sua voz, acompanhada pelas violas e guitarra, portuguesa, transmite o ritmo aos bailarinos. " A partir de agora, o fado não é apenas a canção de Severa, de Marceneiro, de Amália, de Carlos do Carmo, de Canamé, de Mariza, de Ana Moura, de Carminho e de tantos outros fadistas - é sim um tesouro do mundo.....
Luis Guerreiro, André Santos e Max Ciuro, dedilham as cordas de seus instrumentos para o acompanhamento da fadista Joana de Melo..... Fado: Um tesouro que fala de Portugal, da sua cultura, da sua língua, dos seus poetas, mas que também tem muito de universal nos entimentos que evoca a dor, o ciúme, a solidão e o amor" (Público 27 Nov. 2012)
Fado: nascido nos contextos populares da Lisboa oitocentista. o Fado encontrava-se presente nos momentos de convívio e lazer. Manifestando-se de forma espontânea, a sua execução decorria dentro ou fora de portas, nas hortas, nas esperas de touros, nos retiros, nas ruas e vielas, nas tabernas, cafés de camareiras e casas de meia porta.....
..... Evocando temas de emergência urbana, cantando a narrativa do quotidiano, o fado encontra-se, numa primeira fase, vincadamente associado a contextos sociais pautados pela marginalidade frequentados por prostitutas, faias, marujos, boleeiros e marialvas. (...) Esta associação do fado às esferas marginais da sociedade ditar-lhe-ia uma vincada rejeição pela parte da intectualidade portuguesa.
Alargando-se o campo de apropriação do fado a partir do último quartel do séc. XIX, corresponde a esta época a estabilização formal da forma poética da "décima", quadra glosada em quatro estrofes de dez versos cada, aquela em torno da qual se estruturaria  o Fado para mais tarde se desenvolver em torno de outras variantes.....
....Será também neste período que a guitarra, ao longo do século XIX progressivamente difundida dos centros urbanos para as zonas rurais do país, se definirá na sua componente específica de acompanhamento do fado.
Com  (...) a implementação da censura prévia sobre espectáculos públicos (...) tenderia a ritualizar-se a audição de fados, numa casa de fados, locais que iriam sobretudo concentrar-se nos bairros históricos da cidade, com maior incidência no Bairro Alto, sobretudo a partir dos anos 30....
....Estas transformações na produção do fado irão necessariamente afastá-lo do campo do improviso, perdendo-se alguma da diversidade dos seus contextos performativos de orígem e. por outro lado, obrigar à especialização de intérpretes, autores e músicos.
....Usufruindo desde o último quartel do século XIX da divulgação nos palcos do Teatro de Revista e, a partir das primeiras décadas do século XX, da promoção de uma imprensa especializada, mediatizando-se progressivamente na  Rádio, no Cinema e na Televisão, o fado conhece uma franca vitalidade no período compreendido entre as décadas de 1940 e 1960,....
.....muitas vezes designada de "anos de ouro", surgindo em 1953 o concurso da Grande Noite do Fado que se realizará anualmente até aos nossos dias.
Se a simplicidade da estrutura melódica do Fado valoriza a interpretação da voz, ela sublima também os repertórios cantados. Com forte pendor evocativo, a poesia do fado à comunhão entre intérprete, músicos e ouvintes....
....Em quadras ou quadras glosadas, quintilhas, sextilhas, decassílabos e alexandrinos, esta poesia popular evoca os temas ligados ao amor. à sorte e aos destino individual, à narrativa do quotidiano da cidade. Sensível às injustiças sociais, revestiu-se inúmeras vezes, de um vincado carácter de intervenção...
....Se as primeiras letras de Fado eram, na sua maioria, anónimas, sucessivamente trasmitidas pela tradição oral, esta situação inverter-se-ia definitivamente a partir de meados da década de 20, época em que surge uma pléiade de poetas. (...) A partir dos anos, 50 do século XX o fado cruzar-se-á definitivamente com a poesia erudita na voz de Amália Rodrigues. (...)
A divulgação internacional do Fado começara já a esboçar-se a partir de meados da década 30, em direcção ao continente africano e ao Brasil. (...) Seria, porém, a partir da década de 1950 que a internacionalização do Fado se consolizar. (...)
Nos anos 90 o fado consagrar-se-ia, definitivamente, nos círculos da World Music Internacional como Misia e Cristina Branco, respectivamente no círculo francês e na Holanda.Também nos anos 90, um outro nome que se destaca no panorama do fado é Canamé, com grande consagração.....
.....Desde a década de 90 e já no dealbar do século surge uma nova geração de talentosos interpretes, como Mafalda Arnauth, Katia Guerreiro, Maria Ana Bobone, Joana Amendoeira, Ana Moura, Ana Sofia Varela, Pedro Moutinho, Helder Moutinho, Gonçalo Salgueiro, António Zambujo, Miguel Capucho, Rodrigo Costa Félix, Patrícia Rodrigues, ou Raquel Tavares....
....No círculo internacional porém, Mariza assume protagonismo absoluto, desenhando um percurso fulgurante ao longo doa qual tem legitimamente colhido sucessivos prémios na categoria de World Music.
Depois da história do fado, aproveitamos excertos de uma entrevista que Daniel Cardoso deu ao "Bangkok Post" de Banguecoque:  "este ano, uma combinação dos dois, como um trabalho  do Quorum Ballet "Correr o Fado" não é apenas inspirado pelo fado, mas também contou com fado ao vivo cantado por Joana Melo.
Daniel Cardoso continuou: "O tipo de bailarinos que eu gosto de trabalhar terão de ser extremamente versáteis. Necessitam de ter uma forte base técnica e o mais importante, terem uma boa qualidade de movimentos....
.... Meu trabalho é extremamente físico para que todos bailarinos terão de estar em forma. Serem capazes de trabalhar e aprender as diversas formas, exigentes, coreográficas, rapidamente é outra grande vantagem."
Numa entrevista à revista "Dança Europa", Cardoso disse que ele tido, realmente, a sorte de trabalhar com as pessoas certas.
E mais adiante na continuação da entrevista Daniel Cardoso:  a ideia de misturar dança contemporânea com fado em "Correr o Fado", desejava um desempenho que foi inspirado pela nossa cultura e os muitos aspectos de ser Português - e não haveria nada melhor do que trabalhar com música Fado de que foi um grande desafio. Não é fácil trabalhar com música tradicional em uma linguagem de dança contemporânea.
Cardoso também explicou à revista "Dança Europa" que suas obras vão tomando o ambiente e aparecem coladas à dança. Outro aspecto interessante de "Correr o Fado" é como a água volta uma parte integrante da produção. Para trabalhar com água no palco é outros desafio....
....Nós tivemos que encontrar soluções técnicas para ter água e luz, trabalhando em conjunto, durante o espectáculo e o resultado é visualmente muito forte. Água não foi escolhida pelo facto de seus belos efeitos visuais, mas porque ela é uma parte muito importante da nossa história.
"Mais de metade do nosso país é cercado pelo mar. O mar foi o que fez Portugal conhecer o mundo durante a Era dos Descobrimentos, quando os navegadores portugueses encontraram o caminho da Europa para o Brasil e Índia. O povo Português, hoje em dia, tem uma ligação muito forte com o mar e com a sua costa marítima.
Cardoso observa que "Correr o Fado" foi um grande sucesso em Portugal, bem como na China, Espanha, Dinamarca, Sérvia, Equador e Holanda entre outros lugares.....
..... A reacção do público e da imprensa tem sido muito boa, por vezes superando nossas expectativas e isso aconteceu, ao que nós damos conta no "Thailand Cultural Centre" onde o público, de pé, aplaudiu, ao fim do espectáculo, com entusiasmo a actuação do ´Quorum Ballet".
Poema de David Mourão Ferreira: "A gelada solidão/Que tu me dás, coração/Não é vida, não é morte/É lucidez, desatino/Sem poder mudar-lhe a sorte..."
E Esmeraldo Sampaio numa desgarrada: "Acabou a desgarrada/Mas que grande pintarola/Uma salva de palmas para o guitarra/ Outra para o viola!"
Terminou uma noite inesquível de fado bailado pelo "Quorum Ballet" que ficará, para sempre na memória dos  a que ele assistiram.
Embaixador Luis Barreira de Sousa subiu ao palco, felicitou todos os artistas e entregou um ramo de flores à cantora Joana de Melo.
Barreira de Sousa entrega flores à bailarina Theresa da Silva.
Os artistas, ouvem, demorados aplausos da plateia. Aconteceu uma noite portuguesa concerteza!
E o público retira-se da plateia, visivelmente satisfeito, depois de assistir a um excelente espectáculo, português  "Correr o Fado". 
Na imagem esquerda para a direita: Philip Moris (CEO na Tailândia) embaixador de Portugal na Tailândia, Luis Barreira de Sousa, JS Uberoi (Presidente do Festival de Banguecoque, Música e Dança) e Embaixador da Índia, na Tailândia, Anil Wadhawa.
Alguns convidados, da comunidade portuguesa residente em Banguecoque, do embaixador Luis Barreira de Sousa: José Manuel Pinto dos Reis da Quina, Teresa Nunes de Matos, Manuel Campos,Rui Belo (lado direito) e um seu cunhado.
 Numerosas pessoas vão chegando ao auditório principal do "Thailand Cultural Centre" para assistir ao "Correr o Fado". Mais pessoas chegariam se não tivesse chovido, abundantemente, ao fim da tarde, na cidade de Banguecoque.

P.S. Parte das informações foram extraídas da monografia, apresentativa, da companhia "Quorum Ballet"